Olá, Bom dia! Seja bem vindo. Você está no portal Expresso1.com
21ºC
Arapiraca,
Tempo Limpo

Notícias

13/01/2017 08:26:50
Economia
Estado inicia distribuição de bagaço de cana aos municípios
São 10 mil toneladas do produto para alimentação animal e beneficia pequenos produtores dos municípios que estão em estado de emergência
Ascom/AL Bagaço de cana dever ser administrado junto com a palma forrageira
Redação com assessoria

 Os pequenos produtores rurais de Alagoas começaram a receber, esta semana, as 10 mil toneladas de bagaço de cana para complementação da alimentação dos animais e minimizar os efeitos da estiagem que assola o Estado de Alagoas, nos últimos seis anos. A entrega está sendo feita aos 40 municípios que estão em estado de emergência.

A distribuição do produto atende a uma determinação do Governo de Alagoas, por meio da Secretaria da Agricultura, Pecuária, Pesca e Aquicultura (Seagri), para atenuar a falta de pasto no campo, que vem causando prejuízos aos pequenos produtores, consequência da seca nas regiões do Agreste e do Sertão alagoano.

Como informa o secretário da Agricultura de Alagoas, Álvaro Vasconcelos, os investimentos feitos pelo Governo do Estado com a compra do bagaço de cana são recursos oriundos do Fecoep (Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza), e vem beneficiando os pequenos produtores que estão com dificuldades para aquisição de alimentos para o gado de corte e leite, e caprinos.

“A iniciativa do governador Renan Filho em determinar essa ação para os pequenos produtores rurais do Agreste e do Sertão, vai contribuir para amenizar o sofrimento do homem do campo e vai servir como complemento alimentar dos animais”, afirma Álvaro Vasconcelos.

Segundo o secretário, o bagaço de cana dever ser administrado junto com a palma forrageira, sendo uma fonte de fibra, que vem a beneficiar o melhor aproveitamento da palma, que é uma excelente fonte de energia.

A distribuição do bagaço de cana está sendo feita aos pequenos produtores, por intermédio de associações e cooperativas dos 40 municípios que estão em estado de emergência.

Comentários
Mais de Economia