Olá, Bom dia! Seja bem vindo. Você está no portal Expresso1.com
21ºC
Arapiraca,
Estrelado

Rapadura | Miguel Alves

Quem é Miguel Alves? Instrutor de curso de formação de condutores, radialista e estudante de Geografia da Uneal. Tem como xodó sua neta Lara Beatriz, de apenas 2 anos. Miguel Alves dos Santos mora em Arapiraca, tem o coração valente e não tem medo de ser feliz.
03/11/2017 19:13:07
Mote: “uma franga de urubu leva cem anos pra por”
DivulgaçãoPoeta Octacílio

MOTE: “uma franga de urubu leva cem anos pra por”
Verso de Padim Ota

O poeta Octacílio Pereira de Carvalho (Trineto de Inácia Pereira de Alencar e de João Pereira de Carvalho, ambos de Exu) quando prefeito de Exu, em 1947, patrocinou um encontro de violeiros na praça Padre Medeiros (por ele construída e nomeada).

Iniciado o conclave, enquanto os violeiros afinavam seus instrumentos, um deles abordou o prefeito e provocou: soubemos que o senhor também é poeta e queremos ouvir sua prosa.

O poeta retrucou : - Camarada, poeta não nego que sou, mas não repentista.
O violeiro: - Pois escreva seu verso.
O prefeito, que não deixava ninguém sem resposta, falou: - Diga o mote.
O grupo, que já tinha armado pra “brincar¨ com o prefeito”, passou um motinho bem “facinho”: “Uma franga de urubu leva cem anos pra por”.

O poeta entendeu a brincadeira e segundo o próprio, pensou e sorriu intimamente: “Esses cabas querem me pegar”.
Pegou um pedaço de papel, escreveu seu ¨repente¨ e falou: Balancem as violas, como prefeito dessa cidade dou por aberto o encontro de violeiros de Exu.

Sem pausa anunciou o mote que lhe deram e declamou seu verso:

"Causou-me admiração,
O que achei na historia,
E guardei bem de memória,
Essa sábia tradição,

Pois desde os tempos de Adão,
Todo mundo é sabedor,
Que por temer o ardor,
Das pregas do sobrecu,

Uma franga de urubu,
Leva cem anos pra por."

Os violeiros ficaram preocupados com suas potencialidades, mas foram em alvoroço cumprimentar o prefeito, como num gesto de arrependimento pela provocação.

Primo Santanna (poeta e cantador), essa foi a estória que ouvi de meu irmão mais velho, Amaury ( falecido), há muitos anos atrás

Abração,

Aristóteles Sampaio Carvalho

Comentários
Mais de Rapadura | Miguel Alves